Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

10.Mai.08

Sorte Grande...

Dona das Chaves
Saiu-me o euro-vírus! Fui apanhada pelos danados dos vírus influenza... Estou no choco sem ovos! Daqui não sai pinto, pato, ou dinossauro! Atabafada como manda o figurino para saírem os suores, isto depois de já ter arrepiado tudo o que se vê, e o que não se vê... Ups! Tanta gente doente à minha volta, tinha de dar nisto, ainda por cima o tempo só ajuda a piorar as coisas. Estou sem defesas, fugiram, baixaram a guarda e renderam-se a estes danados. Não sei ,com que é que, acenaram às minhas defesas, mas coisa boa não deve ter sido, para terem baixado a guarda e aberto a porta aos vírus. Vamos ver quanto tempo duram no meu corpo. Vamos ver até quando me vou sentir apanhada.
09.Mai.08

Uma cavidade vazia!

Dona das Chaves

Quer-me parecer que não estou nas devidas condições a nível mental! Faço coisas que minutos depois já não me lembro ter feito! Outras vezes acho que fiz, e quando vou verificar o efeito, efectivamente não fiz, ou tenho a certeza que fiz, mas parece que foi levado por uma mão invisível! Dou comigo imensas vezes a ter ideias em branco, o que basicamente é estar a pensar que estou a pensar, mas efectivamente no cérebro não se está a processar absolutamente nada, e a sensação com que fico, é que o meu crânio é uma cavidade vazia, completamente cheia de ar, poluído por sinal! Começo a pensar que deveria fazer Psico-terapia, mas acho que só iria acabar por causar uma depressão no psicólogo! Outra hipótese, é ir-me entregar voluntariamente num hospício! Chego lá e obrigo-os a internarem-me, se for bastante insistente, vão mesmo acabar por me deixar ficar, afinal ninguém chega num local destes a insistir para lá ficar, se não estiver completamente com o neurónio fu(n)dido. Será que escrevi este post, ou é só mais uma das coisas que acho que fiz, mas na realidade é virtual, porque eu não escrevi isto? Alguém sabe dizer-me a morada correcta do Júlio de Matos?
07.Mai.08

Espinhos

Dona das Chaves
Não sei porque ainda me espanto com as pessoas! Estou sempre a sair desiludida, porque só me surpreendem pelo lado menos bom da questão! Serei eu demasiado exigente, ou darei eu demais de mim mesma, quando deveria ser mais egoísta? Quando nos dizem, em alguma conversa, que fica só entre nós, é suposto essa conversa ficar por ali mesmo, independentemente de a seguir fazer sol, ou chuva? Então porque não fica? E não falo de assuntos que tenham a ver comigo apenas! Odeio, que as pessoas se façam passar por uma coisa e serem o oposto. Odeio, que me tentem levar, em caminhos cheios de flores, só para dar um ar de sua graça, e depois o caminho ter mais espinhos que um cacto do deserto! Odeio, dar uma mão, e pegarem um braço! Odeio que tentem controlar o meu espaço, o meu tempo com desculpas manhosas! Estarei eu a ser demasiado egocêntrica? Odeio que tentem controlar onde, e com quem me dou! Odeio que a minha vida seja tão interessante, que dê tanta curiosidade! Cusco(a)s metam-se na vossa vida. Ainda vão querer controlar quando vou ao wc. Estou farta! Sou uma pessoa normal, não sou nenhuma estrela, e se for tenho todo o direito de o ser, pelo meu esforço, pela minha força em ser cada dia melhor. Não ando a cuscar a vida de ninguém, isso não me dá prazer, só a minha vida me dá interesse. E vou mais uma vez partir do zero, e vou mais uma vez seguir em frente, quem sabe com um saco preto na cabeça, para não cuscarem mais. Mas quando chegar ao final do caminho, espero não encontrar nenhuma destas pessoas, que já me bastam os espinhos da vida!
04.Mai.08

círculos

Dona das Chaves
Estou, a fazer de conta que não estou cá! Estou, não estou! Não me apetece estar! Tudo volta ao ponto de partida, tudo gira, tudo roda e chega ao mesmo ponto, de onde parece não ter nunca saído. Estou com a NEURA! Não interessa o que a provocou, ou quem, porque fui eu de certeza!
Mas está tudo no ponto de partida novamente... tudo o que andei, foi em círculos, porque está tudo igual, ou pior, afinal nada consigo andar, parece que até o cérebro tem paragens sucessivas, fazendo-me deixar de ver o óbvio, e fazer o que está à minha frente. Hoje estou assim, com a neura, amanhã estarei melhor, sei que sim! Por hoje é assim que estou!
03.Mai.08

Petição

Dona das Chaves
Este foi o comentário que deixei no Portugal Diário sobre o novo acordo ortográfico e sobre a petição contra o mesmo.

Vou assinar e por uma chamada no meu blogue, onde escrevo em PORTUGUÊS, tal como aprendi nos 13 anos que andei na escola. Acho que este acordo é a maior estupidez alguma vez pensada neste país. Será que as novas gerações serão assim tão incapazes de compreender a língua portuguesa como os seus antepassados a aprenderam, muitas vezes debaixo de puxões de orelhas, réguadas e com a vara ou cana que existia nas salas de aula e que chegava de uma ponta à outra da sala para acordar os desatentos. Pobres das nossas crianças, que hoje até batem nos professores, no meu tempo era o professor que nos puxava as orelhas. No meu tempo faziam-se ditados, que eram corrigidos pelos colegas, para se perceber quem sabia português. Nunca dei erros em nenhum ditado, e se este acordo for avante vou passar a escrever com erros, porque vou continuar a escrever tal como aprendi, tal como o MEU PAI PAGOU para eu aprender. Porque em Portugal o ensino não é gratuito, e este acordo é de uma falta de sensibilidade com a língua de Camões. Porque não ensinar o nosso Português nos países de língua oficial portuguesa. Afinal quem é que ensinou quem a falar e a escrever? Estamos em Portugal, ou não?

Já assinei e aqui fica o link para quem quiser assinar:

http://www.ipetitions.com/petition/manifestolinguaportuguesa/
02.Mai.08

Livra...

Dona das Chaves

Tinha mesmo que ser sexta feira hoje! O dia correu-me mal, em tudo! A começar pelas finanças que me estão a ir ao bolso! Isto de trabalhar a recibos verdes é uma autêntica merda! E o Governo ainda penaliza quem menos ganha, quem vive no limbo, que hoje trabalha, e amanhã nem sabe se vai ter como por comer na mesa. Adiante, depois é o centro de emprego... onde me vendem um peixe diferente do que vendem na segurança social. E a funcionária que se acha dona e senhora da verdade? Apanhou-me, com a corda toda, e ouviu uma do género: "_Se, se calar e me deixar explicar o que a senhora da segurança social me disse...!" Toma lá, que é para não estares armada em chica esperta. Pode ser como ela disse, mas se ainda não me tinha ouvido, porque é que estava armada aos cucos, em super-sabichão?
Enfim, três instituições que funcionam muito mal, mais a instituição Governo, que nem funciona, a não ser para nos f---r, assim com as letras todas.
Depois de tudo isto, resolvi, que me ia enfiar em casa, o dia já estava mau o suficiente para eu me aventurar a complicá-lo ainda mais.
Outro assunto que nada tem a ver com o meu dia, é a discussão sobre o horário de funcionamento das grandes superfícies comerciais. Não concordo, é só mais uma forma de se explorarem os empregados, porque não se vão contratar mais, apenas se vão explorar mais um bocadinho os já existentes. Até porque estes locais já funcionam aos domingos de manhã, ora de tarde é só esticar a corda no pescoço dos empregados mais um bocadinho, à vez. Os que fizerem esta semana, não fazem a próxima, ou assim do género. Eu já trabalhei assim e sei do que falo, não vão haver mais contratações, mas sim mais exploração.
Antigamente o comércio só funcionava até às sete horas, e ao sábado de manhã, e toda a gente se governava, sem reclamações. Depois vieram as grandes superfícies e foi esticar os horários para o pessoal ter onde gastar mais dinheiro. Se este comércio já funciona geralmente até às 23 horas, e ao domingo de manhã, não chega? Os funcionários não terão direito a ter um pouco de tempo com a família. E quem tem filhos pequenos? Vai deixá-los em casa amarrados com uma corda, não há infantários ao fim de semana. E estas crianças não terão direito a desfrutar de tempo em família, com os pais? É que mesmo que seja só a tarde de domingo, de certeza que é muito melhor que um dia de folga a meio da semana. E mais tempo de portas abertas para quê? O pessoal tem-se governado até aqui, porque não se governam agora? É o comodismo, é o que é...
Para mim até ao domingo devia estar tudo fechado, para o pessoal, em vez de se enfiar dentro destes locais arrastando crianças, e restante família, tudo em stress, aos gritos, numa excursão, irem fazer a excursão sim, na rua, na natureza, andarem de bicicleta, respirar um pouco de ar, mais ou menos puro.
01.Mai.08

Dia da Espiga!

Dona das Chaves

Hoje foi dia de ir ao campo apanhar a espiga! Não precisei ir longe, afinal o campo é já ao virar da esquina! A foto não é de qualidade, mas a espiga é! Há uns aninhos que não o fazia, por falta de tempo, e porque até nem gosto de ir para o campo com este calor sozinha, costumam haver por lá uns bicharocos com os quais não gosto de me encontrar. Este ano, por ser feriado, tinha companhia e lá fui, cumprir a tradição de ir buscar a espiga. Digamos que de ano para ano se torna mais difícil encontrar alguns elementos que compõe o ramo, tais como o trigo. E depois ainda nos falam em crise dos cereais... por aqui já ninguém cultiva nada que se assemelhe a uma seara de trigo, ou cevada. Ainda me lembro quando miúda o meu avô, fazia campos de cevada, que crescia alto, pelo menos para a altura que eu e os meus primos tínhamos. Éramos ainda uns quantos, e entrávamos por um canto, à socapa, para o meio da seara, e depois qual traquinas mal comportados era rebolar por ali fora, partindo a cevada... mauzinhos... Não era cevada para extrair grão, mas para fazer palha para os animais. No entanto hoje em dia, já nem para palha se semeiam searas de cereais. E tanto campo ao abandono no Alentejo, a ser tomado pelos espanhóis, ainda por cima subsidiados pelo Governo português, para plantarem oliveiras. Ok, azeite faz parte da dieta mediterrânica, mas não fará mais falta pão? E esta conversa toda por causa da espiga. Outra coisa difícil de encontrar por aqui, incrivelmente foram as papoilas, mas após uma procura mais acentuada, lá encontrei um bom campo com muitas e bonitas.

Pág. 3/3