Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

27.Jun.08

Casamentos e divórcios ecológicos...

Dona das Chaves

Parece que no Brasil, saiu uma lei (ou está em estudo), que diz que vai obrigar os casais que se casam a plantar, contribuir para a plantação de 10 árvores novas! Em caso de ser um divórcio esse valor sobe para 25. Segundo o "deputado federal" (não tenho certeza), quando um casal dá o nó, está a iniciar uma nova família, logo está a aumentar o volume de lixo, o consumo de água, energia, o que ajuda no aumento do efeito estufa, depois nascem os filhos, logo esses valores aumentam. Em caso de divórcio, será uma família que se quebra, mas possivelmente duas novas se iniciam, porque cada um fica com sua casa, e mais tarde irá formar nova família, logo a produção de lixo, os gastos energéticos o todos esses atentados ambientais aumentam, logo o número de árvores a ser plantado, também aumenta. Será o munícipio da área de residência a decidir onde as árvores devem ser plantadas. Outra hipótese, é os novos casais, ou os casais desfeitos contribuírem monetariamente para a plantação de árvores.
Acho que é um exemplo a seguir, não só em Portugal, mas mundialmente. Sim, porque assim aumentam-se os espaços verdes, faz-se reflorestação e tenta-se diminuir o efeito de estufa. E não só, aumenta-se a produção de oxigénio, tão essencial a todas as formas de vida.
Quando se inicia uma nova família, é real o aumento do dispêndio de energia, da produção de mais lixo, afinal é uma nova casa, com tudo o que está inerente, e agora com todas as modernices que todos temos, para não falar dos gastos com água, e quando nascem os filhos, aumenta tudo de novo. Se não se encontram formas de debelar o aumento de tudo isto, e se, se continuam a abater árvores, sem se replantarem novas, um dia destes ainda vamos ter de usar máscaras de gás a ver se conseguimos alguma respiração... No entanto também não deveriam ser necessárias leis que obriguem as pessoas a contribuir para se plantarem árvores, as pessoas deveriam fazê-lo por iniciativa própria e as instituições governamentais, ou não, também. É uma questão de consciência, mas se ninguém a tem, então que se criem estas leis ou outras semelhantes.
Em Portugal, se tal acontecesse, acho que os múltiplos de 25, iam ser os mais usados, a avaliar pelo número de divórcios que temos por cá, iríamos portanto passar a ser um país bastante ecológico...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.