Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

12.Mai.09

(Des)confiança

Dona das Chaves
Ela tem andado numa roda viva. Não, que a vida pessoal tenha dado um salto colossal, pelo contrário está serena, mas a vida profissional tem-na mantido bastante ocupada. A semana anterior foi intensa, teve de substituir a pessoa responsável por um departamento, e não estava suficientemente preparada para tão intensa tarefa. No entanto safou-se, teve alguma ajuda pontual de uma colega, e o saldo final foi positivo, fora o facto de ter acabado a semana completamente esgotada a nível psicológico. Nunca pensou que pudesse ter tanta responsabilidade nas mãos, mas confiaram nela para fazer o trabalho e sem outra solução teve de aceitar. Sabe que mais cedo ou mais tarde vai ter de o fazer novamente, pois o colega vai necessitar de férias de novo.
A sua vida pessoal está calma, está a habituar-se a estar sozinha. O amor deixou de ser prioritário, e vive apenas um dia de cada vez. O amor sereno que conheceu, já tomou outro caminho, ela mesmo se encarregou de o desviar. Sabe que pode amar de muitas formas, mas perdeu a confiança nos outros, e por si só, isso basta, para que ela não deixe que alguma relação vá em frente. A solidão que a sua alma sente é atroz, mas ela não se deixa trespassar. Sabe dentro de si que não é mulher ciumenta quando confia em alguém, mas sabe que não confia em ninguém. Os dias que se seguem serão de introspecção, para se encontrar a si mesma dentro de alguém que nem ela sequer conhece, depois do que passou. Sabe que mesmo que se encontre nessa solidão da alma, lá irá permanecer porque vai continuar sem confiar em ninguém. Sabe que o tempo que passou depois daquele dia ainda foi curto, sabe que o tempo pode ajudar, mas dentro de si permanece uma dor, que jamais se extinguirá, e essa dor não deixa que ela volte a confiar outra vez. Vai ter de aprender a viver consigo mesma, e com a sua solidão que agora será sua companheira, de dia ou de noite. Sabe que poderá viver um triângulo amoroso, ela, o seu amor e a sua solidão.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.