Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

30.Abr.10

Desculpa cão...

Dona das Chaves

Hoje aconteceu-me uma daquelas cenas que não lembram a ninguém! Ao sair do trabalho, vejo um cão grande, num caminho ao lado da estrada que me traz a casa com um bicho na boca. Fui logo atrás do dito, ver do que se tratava. Não sabia se era um gato, um cabrito, eu só via as patas do bicho penduradas. Abro o vidro do carro e começo a chamar "_ Cãozinho, cãozinho..." O cão com o raio do bicho na boca, olha para mim. E... olha... o jantar! Uma lebre pendurada na boca de um cão! Tinha de roubar o jantar ao cão, fosse de que maneira fosse! Passei o carro para a frente do cão, e o danado mete-se pelos terrenos adentro... Páro o carro, saio e volto a chamar "_Cãozinho... cãozinho... cãozinho...??" seguindo-o. O cão pára e larga a lebre no chão, voltando-se para mim. Eu páro de frente com ele, e tento perceber se me quer morder, ou se quer festas... Quer festas, e eu faço umas cócegas na cabeça do cão e continuo a chamar cãozinho... Tento chegar-me para o lado da lebre e ver se ele me tenta morder, mas o cão, como cão que é, deixa que eu me aproxime da lebre e continue a fazer-lhe festas. Não tenho mais nem boas, deito a mão á lebre, e vejo o dono do cão lá ao longe, um velho que tem um terreno lá perto do meu trabalho. Meto-me no carro com a lebre a aí venho eu... Agradeço ao cão, mas não fico á espera que me morda. Em casa perguntam-me onde é que fui buscar a lebre... e eu "_ Roubei a um cão!" Tratei da dita lebre, e será o jantar amanhã!

Obrigado Cão, pelo meu jantar amanhã.

Agora sinto-me uma má gaja, porque roubei o jantar a um cão que confiou em mim! Tenho pena do cão, mas quem mandou ser tótó? É por causa de cães como este que eu gosto mais de gatos, um gato nunca me entregaria a caça, e eu não ia comer lebre ao jantar. Fui má em roubar a caça ao cão, mas é instintivo, e não adianta arrepender-me, voltaria a fazer de novo. Era incapaz de atropelar uma lebre na estrada se ela lá estivesse, mas esta já estava morta, e era muito jantar para um só cão. Além disso ele vive por ali, haverá de caçar mais.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.