Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

26.Mar.09

Queria chorar...

Dona das Chaves

Ela foi para a praia com um nó na garganta e um turbilhão nas ideias, que achou que iria conseguir eliminar. Várias vezes tentou apagar o sufoco que teimava em assombrá-la, mas não conseguia. Mal as lágrimas se assomavam, secavam de imediato. Nem conseguia chorar, tal a dor que a consumia. Precisava encontrar forças suficientes para se libertar daquele peso. A quietude da água não ajudava em nada, e os pensamentos dela rodopiavam entre o que sentia e o que queria conseguir sentir. Ela queria apenas conseguir chegar à indiferença, chegar ao tempo em que se lhe dissessem que ele havia morrido, ela conseguisse ignorar da mesma forma que conseguiu fazer na semana anterior quando morreu o amigo do pai, que tanto prejudicou a sua família. Queria chegar ao ponto em que para ela, ele fosse apenas uma pedra da calçada. Tentava por todos os meios controlar-se, não lhe enviar uma mensagem para apenas lhe dizer Adeus, mas achou que nem isso ele merecia... Penitenciou-se por ser tão burra, por ter achado que ele merecia todo o seu amor, que ele a quisesse como a fizera crer. A sua mente não conseguia desligar e ela sabia que iria piorar, a mola que a mantinha calma e serena, segura à vida, partiu.
A partir de agora podia a qualquer momento perder o controlo de si mesma e fazer alguma asneira, e tantas que lhe passavam pela cabeça, podia descontrolar-se e deitar tudo a perder se se confronta-se com a mãe... Pedia aos Deuses e a todas as Fadas que a ajudassem a não perder o controlo e não descarregar a raiva que sentia. Mas como, se a mola que a segurava se havia partido... Tinha de tomar decisões para o seu futuro ou seria o fim de tudo, bastava descontrolar-se e deitaria tudo a perder.
Olhou para o mar e para a corrente que naquele momento se fazia sentir com o vazar da maré... o que lhe passou pela cabeça naquele momento só não se realizou porque... mas desejou que por alguma circunstância desta vida, esta se lhe acabasse, desejou que a morte viesse e a levasse de uma vez. Evitava assim sentir a dor que a consumia, e descontrolar-se e fazer ela própria alguma doidice. 26 de Março... em 16 anos era a segunda vez que este dia ficava marcado negativamente na sua vida...
Ela queria chorar e não conseguia, e necessitava mesmo de o fazer, sabia que a dor só iria aliviar se o conseguisse. Lembrou-se das palavras da amiga, que ela era uma lutador e que nuca desistia... era verdade, no entanto, sabia e sentia que jamais voltaria a acreditar no amor. A vida havia-a traído, desferira-lhe um golpe fundo, que mesmo que sarasse, deixaria uma marca que não a ia deixar esquecer... até o nome que havia escolhido se tivesse uma filha, era agora o nome daquela por quem acabara de ser trocada... que ironia... Lembrou-se de uma garrafa que tinha guardada em casa para repartir com ele... ironia da vida, agora seria apenas e só sua, inteira... pena que só se poderia degladiar com o puro malte quando estivesse só em casa... mas ia conseguir...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.