Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

20.Set.11

Referendar a regionalização... ou nem por isso...

Dona das Chaves
Tenho que me deixar de conversas de políticaa e crise aqui no blogue com esta frequência, que não sendo diária, pelo menos os últimos posts tem sido sobre estes temas. Mas em jeito de remate final, pergunto eu do alto da minha ignorância nestes temas de politicas e crises, se afinal depois de se ver o tamanho do buraco da ilha ajardinada, se ainda valerá a pena discutir ou querer referendar a regionalização? Eu sei que nem toda a gente iria abrir crateras nas contas a apresentar caso se avançasse nesse sentido, mas também sei que este país é o paraíso para os corruptos de meia tigela, os corruptos domésticos, que só metem dinheiro ao bolso por 2  razões... por TUDO e por NADA. Não será melhor manter o sistema administrativo tal como está, afinal os presidentes de câmara, sempre são raia um pouco mais miúda, que aqueles que já esfregam as mãos de desejo de que se avance com a regionalização, com esperança de ficarem com a administração dessas regiões a criar, e conseguirem também eles enviar uns trocos para os sobrinhos taxistas na Suíça... Para quê criar mais regiões administrativas, mas uns quantos a viver por conta do orçamento? E depois as desgraçadas das câmaras que não forem da cor do administrador regional a que pertencem, vão com toda a certeza ser preteridas em prol daquelas que vestem a cor do administrador regional e que compactuem com os compadrios e apadrinhamentos. 
Claro que nem toda a gente é corrupta, mas parece-me que os números actuais em Portugal, obrigam a uma profunda reflexão, quer em termos administrativos, quer Governativos, quer em grande parte dos quadrantes económicos e sociais... e não sei se algum dia se chegarão a conclusões sobre o tema corrupção, afinal depois que nasceu a febre do ouro, das especiarias, e das pedras preciosas, nunca mais a honestidade deixou de ser  ultrapassada pela falta de escrúpulos, pela ganância e pela corrupção. Mas com este até, é o país dos TACHOS, nunca se sabe qual o cozinhado que se segue no cardápio nacional...

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.