Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

blue eyes

O nome desta gaita, não interessa para nada. Interessa aquilo que aqui for postando dia a dia, ou à noite...Como só tenho um neurónio disponível, é muito certo que saia asneira de vez em quando, ou quase sempre...

17.Ago.08

The end!

Dona das Chaves

O blog, vai terminar! Preciso renovar, reorientar o meu caminho, e a Internet vai deixar de fazer parte do meu dia a dia. A vida vai prosseguir noutros moldes, longe de vícios, numa desintoxicação necessária ao uso adequado do meu neurónio e da máquina que me faz mover. As batalhas perdidas são em maior número que as batalhas vencidas, como tal o saldo da guerra é totalmente negativo. Deveria ter aprendido a andar a pé, quando me sabotaram os travões pela primeira vez... mas achei que o meu caminho já só teria curvas, circulava a 100, e eis senão que lá surge uma encruzilhada... e eu com nova sabotagem nos travões... continuarei a escrever, à antiga, em papel, como sempre fiz, sem que alguém possa entrar nos meus sonhos, nos meus medos, nas minhas mais secretas idealizações que tantas vezes permiti ao publicá-las. Um dia quem sabe, talvez as possam ler, quando eu já não for mais a mesma que sou hoje, quando eu já conseguir sorrir ao olhar para o mundo que me rodeia, sem sentir que fui coberta pela penumbra de um eclipse, a qual nunca mais me abandonou. Um dia quem sabe eu seja capaz de superar o risco de circular sem travões numa estrada que não tem apenas curvas, mas algumas encruzilhadas. Por agora ainda não consigo, estampo-me com muita frequência, e as feridas não se vêem, mas magoam mais que as que sentem na pele. Desde há 15 anos são muitas curvas, muitas encruzilhadas, muitas marcas impossíveis de sarar, e eu preciso gritar, gritar alto, mas não aqui. O meu caminho será a pé, para que as quedas sejam menores.
Obrigado a todos os que se juntaram neste caminho, que agora abandono, prossigam com a vossa marcha. Obrigado por todos os comentários, que me foram ajudando a prosseguir, mas o caminho tornou-se pesado e muito difícil de prosseguir em frente. É um mal necessário, desintoxicar, para poder respirar de novo! Aprender a conduzir sem vícios, e antecipar as curvas e encruzilhadas.
Façam favor de serem felizes, eu serei, longe da Internet, longe do mundo que nos aproxima mesmo quando não nos conhecemos, mas que também nos afasta, quando não temos capacidade para perceber que já estamos a alta velocidade, mas sem travões.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.